sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

O FOLHETO ou "Deus escreve direito por linhas tortas"


Todos os domingos à tarde, depois da missa da manhã na igreja, o velho padre e seu sobrinho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos sacros.

Numa tarde de domingo, quando chegou a hora do padre e seu sobrinho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito. O menino agasalhou-se e disse:

-Ok, tio padre, estou pronto. 
E o padre perguntou:
-'Pronto para quê?':
-'Tio, está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos. '
O padre respondeu:
-'Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito. '
O menino olhou surpreso e perguntou:
-'Mas, tio, as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?'
O padre respondeu:
-'Filho, eu não vou sair com este frio. '

Triste, o menino perguntou:
-'Tio, eu posso ir? Por favor!'
O padre hesitou por um momento e depois disse:
-'Filho, você pode ir. Aqui estão os folhetos. Tome cuidado, filho. '
-'Obrigado, tio!'
Então ele saiu no meio daquela chuva. Este menino de onze anos caminhou pelas ruas da cidade, de porta em porta, entregando folhetos sacros a todos os que via.

Depois de caminhar por duas horas à chuva, ele estava todo molhado, mas faltava o último folheto. Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam totalmente
desertas. Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha. Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu. Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta. Ele esperou, mas não houve resposta.

Finalmente, este soldadinho de onze anos se virou para ir embora, mas algo o deteve. Mais uma vez, ele se virou para a porta, tocou a campainha e bateu à porta bem forte. Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda. Ele tocou de novo e desta vez a porta se abriu bem devagar.
De pé, à porta, estava uma senhora idosa com um olhar muito triste. Ela perguntou gentilmente:
-'O que eu posso fazer por você, meu filho?'
Com olhos radiantes e um sorriso que iluminou o mundo dela, este pequeno menino disse:
-'Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR. '
Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora.
Ela o chamou e disse:
-'Obrigada, meu filho!!! E que
Deus te abençoe!!!'
Bem, na manhã do domingo seguinte, na igreja, o Padre estava no altar.
Quando a missa começou, ele perguntou:
- 'Alguém tem um testemunho ou algo a dizer?'
Lentamente, na última fila da igreja, uma senhora idosa se pôs de pé. Conforme ela começou a falar, um olhar glorioso transparecia em seu rosto.
- 'Ninguém me conhece nesta igreja. Eu nunca estive aqui. Sabem, antes do domingo passado eu não era cristã. Meu marido faleceu há algum tempo, deixando-me totalmente sozinha neste mundo. No domingo passado, sendo um dia particularmente frio e chuvoso, eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver.

Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi as escadas para o sótão da minha casa. Eu amarrei a corda numa madeira no telhado, subi a cadeira e coloquei a outra ponta da corda em volta do meu pescoço. De pé naquela cadeira, tão só e de coração partido, eu estava a ponto de saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou. Eu pensei:
-'Vou esperar um minuto e quem quer que seja irá embora. '
Eu esperei e esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa que estava tocando também começou a bater bem forte. Eu pensei:
-'Quem neste mundo pode ser? Ninguém toca a campainha da minha casa ou vem visitar-me. '
Eu afrouxei a corda do meu pescoço e segui em direção à porta, enquanto a campainha soava cada vez mais alta.
Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na minha varanda estava o menino mais radiante e angelical que já vi em minha vida. O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês!
As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito tempo SALTASSE PARA A VIDA quando ele exclamou com voz de querubim:,
-'Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO. '
Então ele me entregou este folheto que eu agora tenho em minhas mãos.
Conforme aquele anjinho desaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e atenciosamente li cada palavra deste folheto.
Então eu subi para o sótão para pegar a minha corda e a cadeira. Eu não iria precisar mais delas. Vocês vêem - eu agora sou uma FILHA FELIZ DE DEUS!!!

Já que o endereço da igreja estava no verso deste folheto, eu vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO ao anjinho de Deus que no momento certo livrou a minha alma de uma eternidade no inferno. '
Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos na igreja. o Velho Padre desceu do altar e foi em direção a primeira fila onde o seu anjinho estava sentado. Ele tomou o seu sobrinho nos braços e
chorou copiosamente.
Provavelmente nenhuma igreja teve um momento tão glorioso como este.
Bem aventurados são os olhos que vêem esta mensagem. Não deixe que ela se perca, leia-a de novo e passe-a adiante.

Lembre-se: a mensagem de Deus pode fazer a diferença na vida de alguém próximo a você.


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

PROJECTO APROVADO PARA A CASA DA IRMÃ LÚCIA- BOM JESUS-BRAGA - OBRAS: Reabilitação, Remodelação e Ampliação

Eis o projecto que elaboramos e que está aprovado e pronto a ser "implantado" na Casa da Irmã Lúcia e terreno anexo, no Bom Jesus do Monte. Estamos abertos a potenciais investidores dentro dos parâmetros seguintes:
 Da parte da ACIL:
1.1.1. Nos termos da representação oficial de que a ACIL está incumbida, esta cede o imóvel, projecto aprovado e todas as diligências até agora desenvolvidas, por contrato a estabelecer para o efeito, nunca inferior a vinte e cinco anos, a PARCERIA investidor/futuro associado da ACIL.
1.1.2. Desde que comungue no espírito, forma e objectivos definidos estatutariamente.
1.1.3. Permitir, ainda, que toda a documentação necessária à execução dos trabalhos de edificação e demais bens para efeitos de equipamento e apetrechamento, nos termos objectivos a que se destina a construção, se desenvolvam em seu nome e, desta forma, se beneficie das isenções e regalias inerentes ao facto de a ACIL ser uma IPSS.
1.1.4. Permitir a criação de outras valências dentro do actual projecto, designadamente: clínica de fisioterapia, SPA, ou outros que, por relevante interesse económico, possam melhorar e potenciar a rentabilidade do investimento.
1.1.5. A ACIL valoriza a sua contribuição, para o investimento económico-financeiro global em 50%, tendo em conta o imóvel, mais-valias e tudo demais aqui descrito.




PLANTA DO PISO -2











PLANTA DO PISO -1






PISO- 0









PISO 1







































COBERTURA
























segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

ENSEMBLE VOX ANGELIS

        Mais um evento promovido pela ACIL, desta feita com a colaboração preciosa do Grupo Vox Angelis. Ao Reitor e à Confraria do Santuário do Bom Jesus, que nos acolheram, a nossa gratidão.


Foi no dia 21 de Janeiro de 2012, pelas 16 horas, que Pedro Miguel Nunes, barítono e Maria José Carvalho, soprano, amigos de longa data desta Associação, nos quiseram brindar com este concerto. Pedro Nunes e Maria José têm um longo currículo de concertos dentro e fora de Portugal  em que dão preferência à Música Sacra barroca. Para os conhecer melhor basta digitar, na internete, “ensemble vox angelis”. 
Muitas pessoas estiveram presentes e mostraram interesse em conhecer melhor a Associação. A Direcção está muito grata aos jovens talentos do "Ensemble Vox Angelis" e espera que não seja a última vez a colaborar nesta causa que não é de A ou de B, mas de todos quantos, como pretendia a Irmã Lúcia, se querem empenhar na prática do bem-fazer material e espiritual.



sábado, 4 de fevereiro de 2012

"FEIRINHA" NA CASA IRMÃ LÚCIA

Um grupo de Amigas da Associação tomou a iniciativa de organizar  uma feirinha no edifício da Casa da Irmã Lúcia com dois objectivos: dar a conhecer o projecto da ACIL e "fazer" algum dinheiro para atender a gastos que vamos tendo com pequenas coisas.
Conseguiram arranjar ofertas de várias empresas, sobretudo roupas, que foram vendidas a preço simbólico. Mandaram confeccionar, a seu gosto, cerca de 200 terços com a efígie da Irmã Lúcia. A Casa manteve-se aberta no dia 8 de Dezembro (2011) e nos dois fins de semana seguintes. Foram muitas as pessoas que passaram por lá comprando algum dos artigos expostos e manifestando o seu agrado por esta iniciativa. No dia oito, pelas 17 horas, rezou-se o Terço na antiga capelinha não faltando três crianças a representar os três Pastorinhos.
As Senhoras que estiveram este trabalho estão empenhadas em levar avante mais iniciativas do género dando sempre um toque de criatividade e de jovialidade. Bem hajam.
Eis as "culpadas"